Elon Musk se torna a primeira pessoa da história a perder US$ 200 bilhões

Se existisse uma máquina do tempo, Elon Musk não pensaria duas vezes em voltar para o passado. Afinal, no fim de 2021, o empresário se destacava (até então) como o homem mais rico do planeta e a primeira pessoa do mundo a acumular um patrimônio acima dos US$ 300 bilhões. Mas hoje a situação é outra e o CEO de Tesla, SpaceX e Twitter amarga a “conquista” de ter se tornado o primeiro indivíduo da história a perder US$ 200 bilhões.

O ex-homem mais rico do mundo

Segundo Bloomberg Billionaires Index, o patrimônio de Musk em novembro de 2021 era de aproximadamente US$ 340 bilhões. O problema é que 2022 passou num piscar de olhos e, ao fim dele, o bilionário viu sua fortuna despencar para apenas US$ 137 bilhões.

É claro que a recessão generalizada e o cenário econômico conturbado com a guerra entre Ucrânia e Rússia interferiram nisso. Mas curiosamente, o principal fator para o empobrecimento de Elon Musk é o mesmo motivo que um dia já foi o principal ganha pão do executivo: a Tesla.

Tesla

Imagem: Milan Csizmadia/Unsplash

Em janeiro do ano passado, as ações da empresa de carros elétricos eram cotados a cerca de US$ 382 cada. Mas após a decisão de comprar o Twitter — após uma longa a conturbada novela —, Musk precisou se desfazer de boa parte dos 25% de participação da Tesla para honrar os novos compromissos. Erro fatal.

O fato gerou desconfianças de muitos acionistas da fabricante de carros, que reduziram ou até zeraram suas posições em ações da montadora. Além disso, a gestão inicial à frente do microblog ajudou para que os papéis da Tesla caíssem para US$ 119 no fim de dezembro do ano passado.

Como resultado, o executivo finalizou 2022 com um prejuízo superior a US$ 200 bilhões e atualmente detém um patrimônio de “apenas” US$ 133 bilhões. Isso, inclusive, fez com que Musk perdesse o posto de homem mais rico do mundo, que agora é mantido por Bernard Arnault, presidente do conglomerado francês de luxo LVMH.

[–quebra–]

Futuro de Elon Musk é uma incógnita

Quem é antenado ao mundo do business certamente está se perguntando se Elon Musk voltará ao posto do homem mais rico do planeta. Mas a pergunta de milhões é literalmente uma incógnita já que, diferentemente de anos passados, não há como saber o futuro do bilionário.

Sem contar as diversas trapalhadas no comando do Twitter, o próprio executivo chegou a admitir em 2022 que “não quer ser CEO de nenhuma empresa”. A justificativa é que ele se vê muito mais como alguém do operacional do que como alguém da liderança. Mas acredite: a declaração pode afetar sua imagem perante ao mercado.

Foto do empresário Elon Musk, dono do Twitter

Imagem: Vasilis Asvestas/Shutterstock

Tudo indica que Musk está em busca de se distanciar do Twitter e nomear um novo CEO para a plataforma. Se isso acontecer pode ser algo positivo para ele e para Tesla, uma vez que acionistas da montadora podem entender que a fabricante de carros está retornando ao foco.

Mas por outro, o movimento indica como a aquisição da rede social foi impulsiva e, aparentemente, sem sentido. E talvez, um dos principais motivos que fizeram com que Elon Musk saísse do topo para um cenário mais conturbado — mesmo que ainda muito confortável quando comparado ao restante do mundo.

Via: TechSpot

Original: TecMasters

Artigos Relacionados